Amar, confiar e respeitar

Amar, confiar e respeitar

 

Cá estou acompanhando meu filho de dois anos na adaptação dos seus primeiros dias na escola regular, o início de uma longa jornada de aprendizado. Junto comigo, outras três mães dividem seus anseios e receios na árdua tarefa de educar.

São tantas regras de convivência para se adaptar à sociedade e eles são tão pequeninos para um mundo que petrifica nosso ser e nos reduz a ser apenas aquilo que fazemos.. que me pergunto: Como construir uma sociedade melhor no futuro? Acredito que o melhor presente que podemos dar aos nossos filhos são asas e raízes: Asas para voar e raízes para voltar.

Me senti um E.T naquela sala com mães que dedicam sua vida aos seus. Acompanham diariamente as tarefas e seus filhos no inglês, judô, natação e tudo mais que houver. Não viajam sem eles e não permitem que os mais velhos durmam em casa de amigos. Criam uma “co-dependência” – depender da dependência do outro em relação a si mesmo. Mães, já dizia Leonardo da Vinci: Para estar junto, não é preciso estar perto. Mas sim, do lado de dentro.

Fui criada com liberdade, valores e princípios. Meus pais não puderam estar sempre presentes, mas estiveram comigo nos momentos em que mais precisei e confiaram em mim. Como queremos construir uma sociedade melhor sem confiar? A confiança é a base de qualquer relação.

Educar é um desafio enorme, orientar e acompanhar é preciso. Estar perto por inteiro vai demonstrar todo amor que sentimos. Mas, não podemos confundir isso e dirigir a vida dos nossos. Essa escolha é deles e creio que isso é respeito. Amar, confiar: RESPEITAR.