Comportamento

O ano te deixou frustrado?

O ano te deixou frustrado?

A frustração é determinada por um sentimento que surge geralmente quando algo que desejamos não acontece da maneira esperada. Esse sentimento pode estar relacionado também à sensação de impotência quando o esperado dependia de si mesmo.

Existe uma infinidade de situações que podem nos frustrar, mas algumas dessas situações nos marcam tanto que se tornam difíceis de superar. Com isso, podemos nos tornar pessoas frustradas. Veja, neste post, alguns dos principais motivos que podem estar tornando você uma pessoa frustrada!

Frustração por não conseguir alcançar uma meta

Existem vários obstáculos que podem impedir alguém de alcançar suas metas, sejam eles obstáculos físicos, sociais, emocionais ou doenças.

Veja bem: nem todos esses obstáculos são culpa da própria pessoa, mas mesmo assim, ela se sente frustrada. Isso acontece porque, quando traçamos uma meta, batalhamos para alcançá-la, e se algo impede que isso aconteça, sentimos que todo o esforço foi em vão.

Para lidar com esse tipo de frustração, devemos reavaliar os objetivos e traçar novas metas, que sejam claras e mais realistas. É muito mais fácil seguir em frente dando um pequeno passo de cada vez!

Frustração por não receber uma gratificação esperada

Quando batalhamos muito por alguma coisa, é natural esperar uma gratificação por isso. Se não recebermos essa gratificação, o sentimento de frustração certamente vem à tona.

O trabalho, por exemplo, é capaz de causar muita frustração em uma pessoa. Dentre os principais motivos, estão o não trabalhar naquilo que gostamos, não nos sentirmos bons naquilo que fazemos e, principalmente, trabalhar sem obter resultados — como um aumento de salário, uma promoção ou o crescimento na carreira.

Reavaliar toda a situação poderá ajudar na busca pela solução. Será que realmente estamos dando o nosso melhor? Será que conciliar melhor a vida profissional com a vida pessoal não deixaria a frustração de lado? Não existe nada que se possa fazer para reverter essa situação ou então se adaptar de uma forma que te faça sentir melhor? Aproveite este período para refletir.

Frustração por uma necessidade não satisfeita

Um ser humano tem, na sua vida, diversas necessidades, que vão das mais básicas – como comer bem, por exemplo – até as mais complexas — como a realização pessoal. A Pirâmide de Maslow ilustra bem essas necessidades.

E, por mais que consigamos satisfazer incessantemente nossas necessidades, sempre surgem novas, e quando não conseguimos realizá-las, nos sentimos frustrados. Por exemplo: você gostaria de se mudar para um bairro mais seguro, mas por algum motivo não consegue e tem que esperar.

Para garantir a realização das necessidades, que tal começar a fazer um planejamento, com um passo de cada vez?

Frustração por um conflito

Nas nossas vidas, temos que lidar com diversos conflitos, fazer escolhas e, muitas vezes, abrir mão de coisas que gostamos e até mesmo de sonhos ao tomar uma decisão importante.

Um exemplo disso é quando um estudante consegue uma oportunidade de fazer aquele curso que gostaria, mas esse curso é em outra cidade. A pessoa se vê, então, em um conflito, em que precisa escolher entre aproveitar aquela oportunidade e abrir mão da vida confortável que tem na sua cidade, ou continuar na sua zona de conforto e abrir mão de uma oportunidade. A pessoa acaba ficando frustrada por ter que pensar tanto para se decidir — mesmo sabendo que, independentemente da decisão, abrirá mão de algo.

Quando temos de tomar uma decisão desse tipo, é importantíssimo que saibamos nos adaptar às mudanças. Afinal, a vida é assim: tudo muda, é apenas questão de tempo para acontecer.

Superando a frustração

É muito importante identificarmos logo cedo o motivo da frustração que sentimos, pois somente assim é possível vencer esse sentimento. Dar a volta por cima é fundamental, pois viver frustrado não é saudável.

Acreditar que a frustração pode ser vencida e que você é capaz de superá-la é o ponto de partida para enxergar a luz no fim do túnel. É na autoconfiança que encontramos energia para lidar com os problemas e, também, a solução, buscando uma forma mais harmoniosa de viver e ainda recobrando aquela sede de conquista que nos move. 

Aproveite este finalzinho de ano para refletir e crescer com os erros e acertos, sem frustração. Lembre-se, tudo tem uma razão de ser, nem que seja para nos ensinar algo. Ano que vem, tem mais!

Ética profissional na estética: entenda a importância dessa relação!

Ética profissional na estética: entenda a importância dessa relação!

Qualquer profissional precisa ter ética no ramo que atua, e na área da estética não é diferente. A palavra ética vem do grego e está relacionada ao caráter e ao comportamento do ser humano. Uma boa ética profissional na estética ajuda a construir um mercado sólido, transmitindo mais segurança para clientes e futuros clientes — que passam a ver o trabalho estético com mais seriedade.

E não são apenas os clientes que devem ser levados em consideração. A ética dentro do ambiente de trabalho para com os colegas de profissão é de extrema importância. Falar mal de outra empresa, dizer ao cliente que determinado profissional não é bom, dentre outros comportamentos, faz com que o seu trabalho seja mal visto pelo público em geral.

Neste post, selecionamos algumas dicas para que você entenda a importância da ética profissional na estética. Confira!

Respeite o pedido do cliente

Por mais que você tenha conhecimento sobre o assunto, o cliente tem suas preferências. Um designer de sobrancelhas sabe que existem alguns padrões que devem ser seguidos e um formato ideal para cada tipo de rosto, mas nem sempre o cliente deseja seguir essas regras.

Descartar a fala do cliente e fazer o que você, como profissional, acha melhor, põe em risco essa relação. Ele acaba ficando insatisfeito com o resultado e a consequência será não contratar os seus serviços novamente, ou ainda pior, falar mal da sua empresa.

Nesses casos, o melhor a fazer é ouvir o que o seu cliente tem a dizer e explicar, de acordo com os seus conhecimentos, o motivo pelo qual aquela escolha não é a melhor. Vocês devem entrar em um consenso quanto ao que deve ser feito.

Siga as regras

Assim como qualquer outra categoria profissional, o esteticista possui o seu próprio código de ética, que tem como objetivo principal norteá-lo para as boas práticas junto aos colegas e ao público.

Se você deseja ser um bom profissional, precisa estar atualizado quanto a essas regras e segui-las. Nesse código, você encontrará direcionamentos sobre o exercício profissional, o respeito para com o cliente, o relacionamento entre os profissionais, dentre outros.

Vista-se adequadamente

Quando se trata de serviço estético, o profissional é o cartão de visitas da empresa. Estar bem vestido e de acordo com ambiente mostra que você leva o seu trabalho a sério e que vê a estética e a beleza como fatores importantes no seu dia a dia.

Pense sempre no melhor para o seu cliente

É muito comum ver pessoas contratando um determinado serviço estético achando que ele é a melhor opção para um problema sem antes consultar um profissional.

Uma das formas de manter a ética profissional na estética é informar o cliente quanto ao tratamento mais adequado, ainda que gere menos lucro para a empresa. O cliente deve ser alertado e um bom profissional deve explicar tudo, tirando todas as possíveis dúvidas. Assim, o cliente terá um melhor poder de escolha, aumentando a sua satisfação.

Quer saber um pouco mais sobre o mundo da estética? Então acompanhe a nossa página no Facebook!

O poder da criatividade e inovação na gestão do tempo

O poder da criatividade e inovação na gestão do tempo

Historicamente, as ideias surgem de maneiras inesperadas. O caso mais famoso, certamente, é o de Arquimedes. O Rei Heron, desconfiado que sua coroa não seria de ouro puro, solicitou ao respeitado matemático Arquimedes que avaliasse se nela havia partes de prata, mas sem que a peça fosse derretida. Diante de tarefa tão complexa, Arquimedes passou dias tentando encontrar a solução, mas não conseguiu.

Foi então que ele resolveu relaxar um pouco em uma banheira. Esquecendo-se durante alguns instantes do trabalho, o sábio Arquimedes percebeu que o volume de água que caía da sua banheira era igual ao volume da parte do seu corpo dentro da água.

Imediatamente ele encontrou a solução: pesando a coroa no ar e depois comparando com seu peso na água, ele conseguiu obter o peso deslocado por ela, algo que também poderia ser feito com a quantidade de ouro ideal para a coroa, dando a ele o parâmetro necessário para resolver a questão.

Feliz da vida, Arquimedes saiu pela rua gritando “Eureca, Eureca!” (que significa descobri). Era o princípio do empuxo, que até hoje justifica o deslocamento de líquidos — e responsável por esclarecer o golpe que o ourives tentou aplicar no rei.

Descubra o poder do inconsciente

O que significa essa história do empuxo e de Arquimedes? Significa que uma das maiores descobertas da história da humanidade aconteceu quando Arquimedes deixou um pouco de lado seu trabalho e parou para relaxar.

Sem querer, ele usou seu cérebro de maneira diferente, enxergando o problema que estava no seu inconsciente em uma outra situação. Ou seja: ele estudou muito, se dedicou tanto a algo, que mesmo quando deixou aquele assunto de lado, sua cabeça continuou trabalhando inconscientemente. Isso fez com que ele visse a solução em uma coisa que, à primeira vista, não tinha nada a ver com o seu problema. Às vezes, a solução do problema é sair dele, mudar o foco. Essa é uma capacidade que podemos desenvolver.

Saiba como se organizar no dia a dia

Mas não é somente de momentos de epifania que as inovações aparecem. Uma rotina organizada, que facilite o trabalho da sua memória, também ajuda muito. Tenho aplicado isso no meu dia a dia e está dando certo, veja:

Liste tudo o que deve ser feito

Muitas vezes, o simples fato de anotar suas prioridades já é o suficiente. Escrever na agenda do celular ou até mesmo em um papel é uma excelente forma de prestar auxílio à própria memória. Quando temos muita coisa para fazer, escolhemos o caminho que já conhecemos e, quando estamos em “modo” automático, não usamos a criatividade para inovar. É preciso ter tempo até mesmo para ter criatividade e inovar. Sendo assim, organização é fundamental.

Avalie o que pode ser delegado para outras pessoas que moram com você

É muito comum para nós, mulheres, estar ocupada em casa. Afinal, sempre tem coisa pra fazer! Mas, acredite, você não precisa fazer tudo sozinha. Lembra do Ócio Criativo? É preciso colocar em prática. Ficar à toa, descansar e “olhar para o teto” é preciso.

Compartilhe, peça apoio da família. Você também precisa descansar no final de semana. Uma boa dica é delegar o que for possível. Coisas mais simples como ir ao banco pagar contas, fazer compras e manutenção da casa são tarefas que podem e devem ser compartilhadas, não acumule funções.

Peça a opinião de todos

Estabelecer funções não significa que você deva agir de maneira autoritária, forçando as pessoas a colaborar. Isso pode fazer com que as coisas não deem certo.

Por isso, procure ouvir, esclareça dúvidas e faça ponderações. Isso é importante porque tudo o que você não precisa é de um ambiente pesado, com familiares incomodados com alguma coisa. Assim, a melhor maneira de garantir a harmonia na casa é fazer com que todos se sintam úteis.

Prepare-se para a criatividade

Como visto na história de Arquimedes e a descoberta do empuxo, é preciso evitar passar o tempo todo focado no trabalho. Isso é contraproducente. Para ter boas ideias, é fundamental também esquecer temas do trabalho e viver outras experiências.

Sendo assim, procure praticar exercícios físicos, relaxamento, um hobbie. Essas práticas tendem a relaxar seu corpo e, principalmente, a mente, permitindo que as ideias surjam naturalmente.

Pense em criatividade e inovação

Para conseguir dar conta de tantos afazeres pessoais e profissionais com eficiência, é preciso pensar em criatividade e inovação sempre. Assim, mesmo no dia a dia é preciso ter atenção especial àquilo que pode agregar valor ao seu trabalho.

Procure ler bastante sobre sua área, mas sempre tendo em mente a necessidade de ter boas ideias — algo que pode ser obtido a partir de observações sobre coisas que acontecem em outros setores.

Por isso, é importante acompanhar notícias, mudanças de comportamento, hábitos, entender os processos que podem mudar o mundo do esporte, da música, etc. Isso certamente poderá inspirar você a trazer algo novo e surpreender parceiros e clientes do seu negócio, fazendo seu empreendimento crescer.

E você, tem alguma ideia que pode se transformar em negócio? Quais são os problemas que te impedem de investir nela? Não se esqueça de deixar um comentário e falar mais sobre como criatividade e inovação trabalham na sua vida!

Empoderamento feminino: afinal, o que isso realmente quer dizer?

Empoderamento feminino: afinal, o que isso realmente quer dizer?

Você já deve ter reparado que o tema é um assunto muito presente em redes sociais e em conversas de bares, certo?

De fato, é uma questão estratégica e tem ganhado grande destaque nos últimos tempos. Com a força das redes sociais, cada vez mais mulheres ganharam uma voz e passaram a ter meios de relatar suas experiências, falar com detalhes sobre o papel que ocupam na sociedade e como se sentem no seu dia a dia.

Diante de todo esse cenário, é bem capaz que você já tenha ouvido a expressão “empoderamento feminino” — afinal, ela é praticamente figurinha carimbada em toda discussão sobre o feminismo. Mas, quando pensei em escrever sobre esse assunto, muitas dúvidas surgiram. O que isso realmente quer dizer? Como ele é alcançado? Como buscar a igualdade se somos diferentes? Enfim, estudei um pouco sobre o assunto e compartilho aqui neste post o conhecimento com vocês. Espero que gostem e se sintam, homens e mulheres, ainda mais empoderados.  Mais

Se VOCÊ fosse uma marca, qual seria?

Se VOCÊ fosse uma marca, qual seria?

A simples menção a logomarca que traz um cavalo negro sobre um fundo amarelo é suficiente para identificar uma das montadoras de veículos mais icônicas do planeta. Não é preciso entender nada de carros esportivos para saber de quem estou falando, e a analogia também se encaixa perfeitamente no universo corporativo quando transformamos marcas em referencia do estilo de vida que elas vendem. Nesse caso, o estilo é normalmente representado por pessoas que fazem parte da história de sucesso da empresa. Isso porque você vende melhor aquilo que já está na sua essência. Ou seja, para trabalhar em algumas empresas, é preciso ter um determinado estilo para vender o mesmo conceito. Portanto, sua “marca pessoal” você não faz, você preserva.  

Na Disney buscam pessoas alegres com sorrisos expontâneos e investem em treinamento. Na Harley, o time gosta de moto e são pessoas que valorizam a liberdade. Na Chilli Beans, um estilo mais alternativo que conversa com os jovens, seu público alvo. Mas, só o estilo não é o suficiente para ter uma marca pessoal forte. É preciso ter conteúdo multidisciplinar e competência.

Continue acompanhando o meu post de hoje e conheça dicas valiosas para cuidar bem da sua marca pessoal! Mais