Dia da mulher: 7 exemplos que inspiram e empoderam

Frida1

Graças a Revolução Industrial, hoje em dia, é muito mais fácil ser mulher do que ser homem. Não precisamos servir o exército, temos direito à licença maternidade, uma delegacia exclusiva para nós, nos aposentamos mais cedo, vivemos mais que os homens, seguro de carro é mais barato e temos até direito à meia entrada em casas noturnas!!!

Fantástico né? Ainda tem as políticas de benefícios para mulheres, última moda nas empresas. Sério! Foi feita uma pesquisa que ouviu 267 empresas no Brasil, em que o maior pedido é para que as mulheres possam trabalhar home-office. Superpolítica de igualdade de mulheres, parabéns pra nós. A igualdade deve estar presente nos direitos e deveres, simples assim.

A data é uma excelente oportunidade para um momento de reflexão sobre o longo caminho que ainda temos que percorrer para a conquista da equidade de direitos. Então, vamos lá. Mãos à obra que o melhor momento para empreender é agora!

A realidade da mulher empreendedora no Brasil

Ter seu próprio negócio pode ser uma excelente oportunidade para quem quer conciliar o tempo entre trabalho e família. As mulheres somam 98% dos brasileiros empreendedores. Mas, se o negócio crescer muito, este sonho pode se transformar em um pesadelo. Talvez, por isso, somente 23% ocupam cargos de liderança e 14% ocupam cargos de CEO. Quando analisamos as mulheres que são sócias ou proprietárias de empresas de grande porte, caímos para 0,2%. A verdade é que escolher seguir este caminho requer renúncias que muitas vezes vão contra a nossa essência.

Conheça as histórias de 7 mulheres empreendedoras

Glaci Van Straten, da Depyl Action

Minha mãe, filha do irmão do tio Duda, começou ao lado da única pessoa que acreditou nela naquela época: meu avô. E assim, os dois encontraram na natureza a genuína fórmula das flores e nasceu a cera depilatória natural que, anos depois, aliada a excelência e singularidade do serviço prestado em mais de 90 lojas pelo Brasil, se tornou referência nacional em depilação com uma rede de franquias que revolucionou a experiência de fazer depilação.

Sônia Heiss, da Dudalina

A história da marca de camisas começou quando o Tio Duda, sim, meu tio-avô, comprou mais tecidos do que deveria ao reabastecer o estoque de sua vendinha. Dona Lina viu ali uma oportunidade: descosturou uma camisa e entendeu a forma como a peça era produzida.

A esposa do tio Duda contratou então duas costureiras e, em uma tarde, fizeram três camisas, que rapidamente foram vendidas. Em 1957, nascia a Dudalina. As primeiras lojas foram abertas no Balneário Camboriú. Sônia Hess, com 11 irmãos homens, assumiu a presidência da camisaria e a tornou a maior exportadora de camisas do Brasil.

Helena Rizzo, do Maní

Considerada a melhor chef feminina pelo Prêmio Veuve Clicquot, Helena Rizzo é um dos maiores nomes da gastronomia contemporânea. Além de ganhar o prêmio de Melhor Chef do Mundo pela revista inglesa “Restaurant”, Helena assumiu a presidência do C5, Centro de Cultura Culinária Câmara Cascudo, uma associação que une acadêmicos e cozinheiros que pretendem difundir a cozinha do país. Em 2006, Helena Rizzo fundou junto com o marido, o também chef Daniel Redondo, o restaurante Maní, eleito quarto melhor restaurante da América Latina.

Zica Assis e Leila Velez, do Beleza Natural

Há 21 anos, Zica Assis começou a misturar matérias-primas e produtos para criar uma fórmula que traria balanço aos seus cabelos. Mais tarde, ela se uniu a quatro sócios: um ex-taxista, dois ex-atendentes do McDonald’s e uma ex-empregada doméstica. Juntos, eles fundaram o Beleza Natural, primeiro instituto especializado em cabelos ondulados e crespos.

Leila Velez, uma das ex-atendentes do McDonald’s, inspirou-se no modelo de negócios da multinacional e tornou-se presidente do negócio. Veja o vídeo com a história do Instituto aqui.

Luiza Trajano, do Magazine Luiza

Luiza Trajano nasceu e cresceu no interior de São Paulo, em Franca. Aprendeu inteligência emocional com a mãe e lições de empreendedorismo com a tia. A menina começou a vender aos 12 anos porque queria comprar presentes de Natal para quem gostava.

Com perseverança, honestidade e aprendizado, Luiza Trajano transformou a loja fundada pelos tios em um grande varejo, o Magazine Luiza. Veja uma palestra de Luiza Trajano neste vídeo.

Regina Tchelly, do Favela Orgânica

A paraibana Regina Tchelly ainda não fatura milhões por ano, mas colocou em prática uma iniciativa que pretende transformar a realidade do lugar onde vive. A ex-doméstica e moradora do Morro da Babilônia, no Rio de Janeiro, fundou o Favela Orgânica, que produz e comercializa alimentos saudáveis, feitos a partir de legumes, frutas e verduras que seriam descartados por causa da aparência.

Criando receitas repletas de talos e sementes, Regina também concede oficinas sobre a construção de hortas na comunidade, e tornou-se ativista da produção local de alimentos. Veja a reportagem da Revista Trip sobre o Favela Orgânica aqui.

Camila Achutti, da Technovation Challen Brasil

Camila, de apenas 23 anos, se sobressaiu em um mercado dominado por homens. A diretora nacional da Technovation Challenge Brasil passou uma temporada no Google, trabalhou no Iridescent Learning e hoje ajuda a organizar uma competição que inspira meninas a empreenderem no setor da tecnologia.

Camila também é sócia-fundadora da Ponte21, consultoria de inovação e tecnologia para promover a conexão entre pessoas e tecnologia. Ela também lidera a Semana da Mulher na Tecnologia e a Maratona de Aplicativos. Leia mais sobre esta garota esperta no blog Mulheres na Computação.

Para se inspirar: How Did She Get There

O site How Did She Get There (ou “Como ela chegou lá”, em tradução livre), criado por Caroline Hugall, reune entrevistas semanais com mulheres importantes no mundo dos negócios, da comunicação, artes e mídia. O projeto almeja promover a aprendizagem e o suporte a mulheres que desejam conquistar cargo de liderança. Dentre as entrevistadas, estão Jackie Jantus, Estratégia de Marca do Spotify e Abigail Posner, Gerente de Estratégia de Planejamento do Google. Vale conferir e treinar o seu inglês!

E então, o que está esperando para comemorar este Dia da Mulher colocando as suas ideias no papel? Se você quer fazer parte desta rede de mulheres empreendedoras com dicas valiosas, assine a nossa newsletter!